O dia em que conheci Maria

IMG_8821

Maria estava no canto da sala. Encostada porque não tinha base. Seus pés ainda com ferrinhos faziam uma ponta dupla — a da sapatilha e a da ponta pontuda. O salão, ateliê de um grupo de jovens artistas mineiros localizado na vila de Bichinhos, município de Tiradentes, Minas Gerais, estava iluminado pelo sol de inverno e pela música de um conjunto pop retrô francês. A canção era agitada, com uma base de acordeon. Diáfana, juro que achei que Maria ia começar a bailar.

IMG_8819

 

Maria só podia ser especial. Ela é filha do artista Fabio Francino, 30 anos, que nasceu em Divinópolis, Minas Gerais, a cidade mágica da poeta Adélia Prado e do escultor Geraldo Teles de Oliveira, o GTO. Pai operário e mãe dona de casa, Fábio faz arte desde menino. “Desenhar era o meu brinquedo”, diz. Em 2002, Fabio mudou-se para Bichinho um lugarejo turístico, terra natal paterna, que se tornou um ponto de produção de artesanato e arte popular no estado de Minas. Começou a trabalhar na Oficina de Agosto com Antônio Carlos Bacht, o Toti, um dos responsáveis pela fama do lugar. O emprego seguinte foi na Oficina Anima do craque em restauro de obras de arte, Carlos Magno. De 2004 a 2014, Fabio trabalhou com o jornalista e ilustrados Berzé, que o homenageia com uma ilustra-post em seu blog.

Captura de Tela 2016-09-02 às 08.38.54

 

Fábio é um artista multitalento e multiplataforma. Músico, estudou no Conservatório Estadual Padre José Maria Xavier de São João del Rei e foi aluno de Viola De Arco do curso de extensão da Prof. Mariana Renno na UFSJ. Por isso, posso afirmar, sem medo, que Maria flutuava e dançava enquanto estava encostada na parede e hoje enquanto enfeita a entrada da Pousada A Capela. Maria é filha da música que Fábio ouve, compõe e toca.

IMG_9138

Maria foi feita em papel machê com estrutura em ferro. Delicada, feminina, sutil, ela flua com o vento e com a imaginação. Maria foi batizada por mim. Não perguntei o nome dela para o Fábio. Ela é tão linda que pode se chamar Emengarda, Raimunda ou Pafúncia. Vale também Luiza, Carolina ou Beatriz, porque uma beleza assim precisa de trilha sonora própria.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s